Sobre as Aulas/Alunos

Corpo, numa associação livre, me remete para coração; compasso; corte; casa. Dançar o corpo liga estas palavras, como uma bela teia: no compasso dos movimentos, o coração se dilata e contrai, é peso e ritmo, repetição e abertura. É também tempo e espaço, em que há um corte com o lado de fora, quando estou com os pés pousados num estúdio. Sinto que é uma nova configuração do meu eu, como se a areia da ampulheta deixasse de cair - o que caí é o meu corpo, com gosto. Esta "casa" que é o meu corpo em movimento, tem sempre a porta aberta para quem quiser entrar: sensações: medos; pausas; toques; encontros com os outros que comigo partilham o prazer de dançar com a Sofia

Foto: Pedro Cunha

Corpo, numa associação livre, me remete para coração; compasso; corte; casa. Dançar o corpo liga estas palavras, como uma bela teia: no compasso dos movimentos, o coração se dilata e contrai, é peso e ritmo, repetição e abertura. É também tempo e espaço, em que há um corte com o lado de fora, quando estou com os pés pousados num estúdio. Sinto que é uma nova configuração do meu eu, como se a areia da ampulheta deixasse de cair – o que caí é o meu corpo, com gosto. Esta “casa” que é o meu corpo em movimento, tem sempre a porta aberta para quem quiser entrar: sensações: medos; pausas; toques; encontros com os outros que comigo partilham o prazer de dançar com a Sofia. 

Viviane Almeida

Foto: Pedro Cunha

As aulas de dança são para mim um momento da semana que é realmente um presente de mim para mim. É uma hora e meio de contacto completo comigo, onde a atenção se foca nas sensações do meu corpo e onde o que sinto no meu interior se expressa através dele. A Sofia tem o raro dom de conduzir permitindo a cada um criar, tocar e aprofundar. Trabalhamos técnica sem percebermos no imediato que o estamos a fazer. Durante aquela hora e meia sinto-me mesmo ali…. no presente!

Tânia Damião

Foto: Pedro Cunha

Lugar íntimo onde o limite da pele desenha movimentos, numa provocação interior de memórias expostas à permeabilidade dos poros que emanam, sugam e transformam a energia presente numa outra consciência de ser. Suspensão subversiva do tempo e do peso na vertigem amável da realidade.

Sara Marques

As aulas da Sofia são um espaço privado e intimo que nos permite explorar e descobrir livremente o nosso corpo em comunicação consigo próprio, com o outro, com o espaço e o tempo. São um espaço de liberdade onde a expressão individual flui.

Violeta Barradas

Foto: Luís Pais

As aulas para mim tem sido um modo de “limpar” um pouco a cabeça do trabalho do dia a dia.

Cumprem também a função que, de certa forma, encontrava no Yoga (que pratiquei uns anitos) de procura de equilíbrio entre o corpo, o lado físico, e o lado psíquico e emocional.

Neste caso, a dança neste contexto, tem ainda a vantagem de alargar a minha relação com o movimento do meu corpo, e também na relação com os outros participantes, algo que nunca tinha trabalhado a pensar no lado artístico desse movimento.
O modo como é feito, a partir do movimento orgânico que parte do interior de cada um dos participantes, permite-me acompanhar minimamente o grupo.

Carlos Marecos